quinta-feira, 30 de julho de 2009

Rastros

Ando perdendo o sono durante as madrugadas, acordo com um pulo, olho as coisas que continuam no mesmo lugar, o sono demora a voltar, penso no dia que insiste em clarear, chuvoso, tenso, o dia vai se arrastar deixando seus rastros, rastros das imagens do ônibus, que passa e ninguém vê, rastros das pessoas que se vão, o cheiro do abraço amigo, vontade de ouvir uma canção antiga. Reclamo da chuva, reclamo do sol, reclamo da água que respinga nos sapatos, reclamo da demora, reclamo da falta de sono, me pergunto porque a gente é assim? fala sem saber, demonstra sem querer, sorri forçado, ouve o que não quer, morre de desgosto, dorme e espera o outro dia, amanhã vai ser tudo igual.

Camila!

4 comentários:

Burns disse...

Aos poucos, meus dias ficam (na medida do possível) diferentes.
Ainda perco o sono, mas por motivos novos...

Erika Sodré disse...

*vc escreve sobre a alma das pessoas sem precisar perguntar como fazer isso...

belo e triste...

๑ Kelly Amorim ๑ disse...

otiimos texto *-*
muito bom o blog (:
depois me visita ta ;)
prometo voltar sempre, to te seguindo!

Burns disse...

Tá na hora de atualizar isso aqui, hein?